IFRS confirma manutenção de cotas na pós-graduação, apesar de revogação de portaria pelo MEC

As seleções de ingresso em cursos de pós-graduação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS) manterão a reserva de cotas. Nesta quinta-feira, 18 de junho de 2020, o Ministério da Educação revogou a portaria que trata dessa política nas instituições federais de ensino (Portaria Normativa nº 13, de 11 de maio de 2016). No entanto, o IFRS tem autonomia para manter a sua Política de Ações Afirmativas.
A reserva de cotas na pós-graduação do IFRS é, inclusive, anterior a 2016 e pioneira na Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica. Em abril de 2015, a instituição estendeu para os cursos de especialização e mestrado a reserva de vagas que já aplicava para os cursos técnicos e de graduação. Desde então, nos processos seletivos de ingresso nas especializações e nos mestrados do Instituto, uma vaga é reservada para candidatos pretos e pardos, uma para candidatos indígenas e outra para pessoas com deficiência (conforme Resolução nº 030/2015, atualizada pela Resolução nº 104/2019 do Conselho Superior do IFRS).
A chefe do Departamento de Pós-graduação do IFRS, Jaqueline Morgan, destaca a importância das ações afirmativas para a diversidade na educação. “Essa política tem contribuído para a ampliação da diversidade étnica e cultural do corpo discente dos cursos e programas de pós-graduação do IFRS”, afirma, acrescentando que a medida foi ratificada durante a revisão das resoluções da pós-graduação da instituição, em 2019, com o apoio de toda a comunidade acadêmica. “A revogação dessa portaria é um retrocesso que só não é maior devido à autonomia das instituições federais de ensino superior”, acrescenta Jaqueline.
* Conheça os cursos de pós-graduação do IFRS, todos gratuitos  
Cotas também nos cursos técnicos e de graduação
Nos cursos técnicos de nível médio e nos cursos de graduação, desde 2012 a instituição cumpre as determinações da Lei das Cotas, sendo que a obrigatoriedade do cumprimento integral começou a valer somente no ano de 2016, já que havia previsão de quatro anos para a adaptação das instituições. Dessa forma, 50% das vagas no IFRS são reservadas para estudantes oriundos de escolas públicas, e dessas há cotas para estudantes de baixa renda, pretos e pardos, indígenas e pessoas com deficiência.

Sobre o IFRS
 O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS) oferece cursos gratuitos em 16 municípios do Rio Grande do Sul. São cursos de nível médio (técnicos que podem ser cursados de forma integrada, concomitante e subsequente ao Ensino Médio), superiores (de graduação e pós-graduação) e de extensão. O IFRS é uma instituição federal de ensino público e gratuito.
As unidades do Instituto são: Campus Alvorada, Campus Bento Gonçalves, Campus Canoas, Campus Caxias do Sul, Campus Erechim, Campus Farroupilha, Campus Feliz, Campus Ibirubá, Campus Osório, Campus Porto Alegre, Campus Restinga (Porto Alegre), Campus Rio Grande, Campus Rolante, Campus Sertão, Campus Vacaria, Campus Veranópolis e Campus Viamão. A Reitoria está localizada no município de Bento Gonçalves.
No total, são cerca de 22 mil alunos e 200 opções de cursos. Mais informações no site www.ifrs.edu.br.
 Saiba também: Além do IFRS, no Rio Grande do Sul há outros dois Institutos Federais (IFs): oInstituto Federal Sul-rio-grandense (IFSul), com Reitoria em Pelotas; e o Instituto Federal Farroupilha (IFFar), com Reitoria em Santa Maria. Em todo o país, são 38 IFs levando ensino público e gratuito a mais de 600 municípios (para conhecer a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, acesse o site do Conif).

Fonte e foto: Ascom IFRS Campus Osório