Litoral Norte não terá mais lixões a partir do verão

Empreendimento que custou R$ 1 milhão possibilitará a disposição final de resíduos adequada para 23 municípios do litoral gaúcho

Hoje (19) acontece a inauguração do transbordo de resíduos sólidos urbanos da CRVR – Riograndense de Valorização de Resíduos, em Tramandaí, litoral norte do Rio Grande do Sul. O empreendimento que custou R$ 1 milhão faz parte de um plano de investimentos entregue ao Governo do Estado no valor de meio bilhão de reais. O governador, José Ivo Sartori, e a secretária de meio ambiente, Ana Pellini, participam do evento que contará com a presença confirmada dos prefeitos do litoral norte.

Com esta obra, o Rio Grande do Sul consolida sua posição como o Estado com melhor tratamento de resíduos, atingindo mais de 74% dos resíduos tratados adequadamente. Com investimento previsto de R$ 500 milhões, a CRVR pretende atingir a meta estabelecida para que o Rio Grande do Sul seja o primeiro Estado no país sem lixões.

Segundo o coordenador de desenvolvimento de negócios, Cleber Ferreira, o novo empreendimento tem previsão de iniciar a operação ainda este mês, recebendo uma média anual de 60 mil toneladas. O coordenador conta que isto significa para a CRVR a garantia que de que os resíduos terão uma destinação correta. “Até o início deste ano os resíduos gerados pelo litoral eram encaminhados para um aterro controlado local que encerrou o recebimento em maio”, diz. Com o novo transbordo, os resíduos das cidades litorâneas seguem para a Unidade da CRVR em Minas do Leão.

De acordo com o diretor de desenvolvimento de novos negócios da CRVR, Leomyr Girondi, este fato significa mais um passo para a realização de uma grande meta da empresa: tornar o Rio Grande do Sul o primeiro estado brasileiro com disposição final de resíduos sólidos urbanos exclusivamente em aterros sanitários licenciados. “É uma conquista importante para nós, construída com o entendimento da FEPAM, Ministério Público, Associação de Municípios dentre outros. Buscamos valorizar os resíduos recebidos com diversos processos tecnológicos como produção de energia, por exemplo, que hoje já é gerada e atende a uma população de 200 mil pessoas”, reforça ele.

O diretor conta também que o transbordo e o transporte fazem parte de uma estratégia de logística planejada para que a CRVR consiga permitir a aderência do maior número de municípios ao negócio e desta forma diminuir os custos com disposição sem correr riscos ambientais. “O litoral norte era uma das regiões que entendíamos precisar de soluções de longo prazo. Com esta nova unidade poderemos receber até 500 toneladas por dia, quantidade superior ao total gerado mesmo na alta temporada”, afirma.

A nova unidade significa a expansão do mercado comercial da CRVR, que até então não atendia o litoral gaúcho. “Esta região dispõe um mercado que representa 5% dos resíduos Rio Grande do Sul, uma fatia importante que pretendemos atender por completo. Temos potencial de atender até 23 municípios”, conta Girondi.

Para ele, outro benefício do empreendimento é o fortalecimento da cooperativa local. “Com o transbordo a cooperativa segue recebendo matéria prima para o desenvolvimento do trabalho de triagem, o que também viabiliza a valorização dos resíduos provindos dos municípios que serão clientes do nosso transbordo, com impacto social positivo”. Sobre a CRVR A Companhia Riograndense de Valorização de Resíduos é uma empresa gaúcha que atua na disposição final e valorização de resíduos sólidos urbanos. Hoje, a CRVR atende 300 municípios do Rio Grande do Sul, possuindo cinco Unidades de Valorização de Sustentável (UVS’s) localizadas em Minas do Leão, São Leopoldo, Santa Maria, Giruá e Victor Graeff.

A empresa oferece soluções integradas na área de tratamento de resíduos, utilizando tecnologias inovadoras e profissionais qualificados para fazer parte de um processo de transformação e sustentabilidade. Em suas unidades, os resíduos deixam de ser um problema para a sociedade e começam a fazer parte de uma solução.