Manobra jurídica impede julgamento de Alemão Caio

Ontem (6), em uma manobra jurídica, inesperada, o Júri que iria julgar por homicídio triplamente qualificado e tentativa de homicídio duplamente qualificado, de Carlos Flores Chaves, o “Alemão Caio”, foi dissolvido. A juíza responsável pela 1ª Comarca de Torres, Marilde Webber Goldschimit, também multou a advogada da defesa, Marcela Gomes, em 30 salários mínimos e irá encaminhar ofício a OAB-RS, para avaliar a conduta da mesma.
A advogada se recusou de defender o réu em plenário, alegando que ele apresenta problemas de saúde. Sem a presença do réu o julgamento não pode continuar e foi remarcado para o dia 13 de setembro. No início da manhã, as testemunhas da acusação, incluindo sua ex-companheira, o policial que atendeu a ocorrência e um psiquiatra chegaram a ser ouvidos.
Em 2011 “Alemão Caio” foi denunciado pelo Ministério Público por ter matado o namorado da ex-companheira, João Augusto Bezerra de Medeiros Neto e de ter tentado matar a ex, Ivanise Menezes Chaves Barcelos. O crime teria ocorrido na casa da vítima Ivanise, no Centro de Torres, na frente do seu filho de 10 anos.