O Delegado João Henrique Gomes, titular da Delegacia de Polícia Civil de Osório creditou a redução nos índices de violência em Osório, ao trabalho realizado pela equipe de servidores da Polícia Civil, e a integração com órgãos como a Brigada Militar, SUSEPE e a Policia Rodoviária Federal.  A revelação foi feita nesta quinta-feira(29) em entrevista concedida no programa Olho Vivo. “Contamos com uma equipe dedicada, comprometida e experiente que produz resultados, superando dificuldades”, elogiou. “Além disso, contamos com uma integração com a Brigada Militar, Susepe e Policia Rodoviária Federal, onde realizamos ações para reprimir crimes complexos que identificamos em nossa cidade”, completa.  De acordo com o delegado,  nos últimos cinco anos, desde sua chegada em Osório, foram realizadas 27 operações policiais,  no  combate aos mais diversos tipos de ações criminosas, dando prioridade aos casos de crimes contra a vida (homicídios) e patrimoniais, como furto e roubo de veículos e em residências.  Em 2021, já foram registrados quatro casos de homicídios, com a maioria deles,  já com esclarecimento encaminhados pelas investigações.  Os casos envolvendo o tráfico de drogas e seus desdobramentos,  são os crimes que também requerem maior atenção e dedicação dos policiais do setor de investigação. “Realizamos duas operações, denominadas “Ponto Final” e “Operação Impacto”, que teve apoio do Ministério Público, e que produziram resultados positivos em que foram identificados indivíduos ligados a facções criminosas de alta periculosidade, com atuações no tráfico e outros crimes”, relatou. O delegado destaca ainda que a estrutura existente, apresenta algumas deficiências , comuns à atividade, e que são superadas com empenho e criatividade, além do apoio da Prefeitura Municipal e dos comerciantes de Osório. Atualmente, a Polícia Civil trabalha em um caso registrado na última quarta-feira(28), em que o corpo de um homem foi encontrado na estrada do Carraxi, sem identificação e nem lesões aparentes. A causa da morte e a identificação do cadáver serão esclarecidas com o trabalho do Instituto Geral de Perícias (IGP).

Denuncias anônimas podem ser feitas pelo whatsApp (51) 999120456