Christofer Rayan da Silva, 18 anos, foi condenado a  13 anos de prisão em regime fechado, por homicídio duplamente qualificado que teve como vítima Luan Fernandes Pedroso,23 anos, no dia 18 de janeiro de 2021, na Rua Rio de Janeiro, por volta das 22h30 em Nova Tramandaí.

De acordo com a denúncia, Christofer marcou um encontro com Luan, para lhe mostrar um imóvel para locação. Ao chegar ao local, efetuou três disparos com um revólver calibre 38, contra a cabeça de Luan. Em seguida, fugiu no carro da vítima, um Voyage de cor branca, até ser sendo preso pela Brigada Militar,  que o interceptou após perseguição, na Rua Amâncio Amaral, próximo à Avenida da Igreja, no centro. Uma perseguição de mais de 7 quilômetros.

Ainda segundo o que foi apurado no processo, a motivação para o crime, teria sido uma dívida que Luan possuía com a facção a que pertencia Christofer. O crime foi cometido mediante dissimulação e recurso que dificultou a defesa da vítima, uma vez que aproveitou-se da relação de amizade que tinha com Luan, combinando com ele o encontro, e quando estava distraído, efetuou os disparos, o que impossibilitou qualquer chance de defesa. O julgamento teve o promotor de justiça André Luiz Tarouco Pinto atuando na acusação, e o defensor público Antonio Trevizan Fregapane, defendendo o réu. A sessão do Tribunal do Juri, foi presidida pelo Juiz Gilberto Pinto Fontoura.