O ex-prefeito Cidreira, Alexsandro Contini de Oliveira, que renunciou ao cargo na tarde desta quarta-feira (24), se manifestou publicamente sobre a decisão, pela primeira vez na manhã desta quinta-feira (25), em entrevista no Programa Olho Vivo, da Rádio Osório, apresentado por Elias Silveira. O ex-prefeito, revelou que sua decisão teve base em vários fatos e ocorrências registradas nos últimos meses, entra as quais, as CPPs (Comissão Parlamentar Processante), instaladas no legislativo municipal durante o tempo em que esteve a frente da administração municipal, “Se eu era o problema, me retiro”, declarou.     Porém, referiu também, que foram decisivos, os pedidos feitos pela própria mãe e a esposa, para que deixasse a vida política. O ex-prefeito ainda disparou críticas contra seus opositores, “chega de Delmo Hausen, chega de perseguição da Câmara de Vereadores”, destacou.  Contini revelou ainda que ontem antes de oficializar a renúncia, esteve reunido com a promotora de justiça, Karine Camargo Teixeira , a quem comunicou a decisão, e se colocou à disposição para responder à justiça, “quero que o Ministério Público e o Tribunal de Contas, me julguem”, anunciou. Indagado sobre uma declaração feita há alguns dias, de que alguns vereadores de Cidreira teriam “telhado de vidros”, uma alusão à ações comprometedoras em suas ações políticas, ou seja, supostas irregularidades, se omitiu, “deixo no ar e na consciência deles. Nenhum deles é santo. Mas quero colocar uma pedra em cima disso”, afirmou. Ao encerrar sua manifestação na entrevista, Contini, declarou uma atenção especial ao seu eleitorado, “sou muito grato, aos mais de 4 mil votos, que recebi ao ser eleito, e agora, deixo a um poder maior, a missão de me julgar”, encerrou. Alexsandro Contini de Oliveira, comunicou ainda que está saindo do PP, e vai se transferir para o MDB, onde pretende auxiliar lideranças como deputado federal Alceu Moreira e o deputado estadual Gabriel Souza, que o ajudaram,  destinando verbas para investimentos na prefeitura de Cidreira.