Os reflexos das recentes decisões dos Tribunais Superiores a respeito da prova penal, foi  tema de um encontro regional, realizado na última sexta-feira (27)em Osório. O encontro contou com a participação de representantes do Ministério Público -RS, dos delegados de polícia e chefes de Serviços de Investigação da Polícia Civil, patrulhas táticas e agências de inteligência da Brigada Militar, além do Serviço de Inteligência da Superintendência dos Serviços Penitenciários. O coordenador do Centro de Apoio Operacional Criminal e de Segurança Pública (CaoCrim), Rodrigo Brandalise, apontou os reflexos processuais de recentes decisões judiciais que tratam da prova penal produzida por ocasião de autuações em flagrante delito, destacando a qualidade da prova penal produzida pelas forças policiais do Rio Grande do Sul.  Os promotores de Justiça Karine Camargo Teixeira, Rodrigo Ballverdú Louzada, André Luiz Tarouco Pinto, Rodrigo Berger Sander, Bianca D’Alessandro Kosciuk e Fernando Andrade Alves compareceram ao evento, que contou com a participação dos delegados de polícia Sabrina Deffente (Regional e Capão da Canoa), Antônio Carlos Silvano Ractz Júnior (Imbé), Alexandre Souza (Tramandaí), Marcos Vinícius Diniz Veloso (Torres), Adriano Koheler Pinto (Arroio do Sal e Terra de Areia), Tomaz Ferreira (Tramandaí) e Rodrigo Nunes (Cidreira). Pela Brigada Militar falaram o comandante do 8º BPM, major Fábio Axt, e o chefe do Serviço de Inteligência do CRPO Litoral, major Luiz César. Pela Susepe, manifestou-se o delegado regional, Benhur Calderon, e o agente de Inteligência Regional Luís Fabiano do Santos Gonçalves.

Foto: MPRS/ Divulgação